CURSO SOBRE TÉCNICAS DE LEVANTAMENTO E MONITORAMENTO DA FAUNA PARA CONSULTORIA E LICENCIAMENTO AMBIENTAL

Curso Monitoramento de Fauna

 

CURSO COM 70% DE AULAS PRÁTICAS!
DIAS: 25 a 27 DE JULHO DE 2014 (INSCRIÇÕES ABERTAS)
LOCAL: Reserva Ecológica de Guapiaçu-Cachoeiras de Macacu-RJ
CARGA HORÁRIA: 25 horas/aula.
NÚMERO DE VAGAS: 20
PÚBLICO-ALVO: Profissionais e estudantes de biologia, veterinária, gestão ambiental e áreas afins.
HORÁRIO: Sexta-19:00h às 22:00h / Sábado- 07:00h às 22:00h  / Domingo- 07:00h às 12:00h
PROGRAMAÇÃO TEÓRICA:
Métodos de Levantamento e Monitoramento para Avifauna -
Transectos lineares, Pontos de escuta, Captura e marcação, redes de neblina, condicionamento alimentar, uso de equipamentos (play-back, binóculos, etc), Focagem noturna e diurna.
Métodos de Levantamento e Monitoramento para Mastofauna -
Monitoramentos e Manejo, Armadilhas Fotográficas, Métodos diretos (visualização e vocalização do animal), Método indireto (fezes, pegadas, tocas), Coleta e análise de fezes, Rastreamento de pegadas e biologia de espécies.
Método de Levantamento e Monitoramento para Herpetofauna -
Busca ativa, varredura em bromélias, varredura em micro-ambientes, armadilhas de interceptação e queda (pitfall), captura manual, biometria e marcação, equipamentos para captura.
PROGRAMAÇÃO PRÁTICA:
Mastofauna: Armadilhas de captura, armadilhas fotográficas, interpretação de vestígios, confecção de moldes de pegadas e rastros (com gesso e cera de vela), condicionamento alimentar, Focagem noturna e diurna, utilização de rede de neblina.
Avifauna: interpretação de vestígios, condicionamento alimentar, uso de equipamentos (play-back, binóculos, etc), Focagem noturna e diurna.
Herpetofauna: metodologias diversas de captura e manejo de répteis e anfíbios e interpretação de vestígios.
Ministrante:
MARCOS FELIPE DA ROCHA PINTO. Médico Veterinário, Perito Ambiental, Especialista em Biologia, Manejo e Medicina da Conservação dos Animais Selvagens.
VALOR DO CURSO:
Até dia 05 de JULHO – R$400,00 (R$200,00 na inscrição + R$200,00 até a data do curso)
Após dia 05 de JULHO – R$430,00 (R$215,00 na inscrição + R$215,00 até a data do curso)
DESCONTOS NO VALOR DO CURSO:
Participantes que residem fora do estado do Rio de Janeiro:
Valor do curso com desconto até dia 05 de JULHO – R$380,00 (R$190,00 na inscrição + 190,00 até a data do curso).
Após dia 05 de JULHO – R$400,00 (R$200,00 na inscrição + R$200,00 até a data do curso).
VALOR DA HOSPEDAGEM NA RESERVA ECOLÓGICA DE GUAPIAÇU.
ALOJAMENTO QUARTO DUPLO:
R$ 75,00 diária\pessoa – Total 2 diárias = R$ 150,00
Inclui: Duas diárias com café da manhã, almoço e jantar (O Valor deverá ser pago no dia do curso)
ACAMPAMENTO ( BARRACA de  CAMPING)
OBS: Cada participante deverá trazer a sua barraca, pois não trabalhamos com empréstimos!!
R$ 40,00 diária\pessoa – Total 2 diárias = R$ 80,00
Inclui: Duas diárias com café da manhã, almoço e jantar (O Valor deverá ser pago no dia do curso)
TRANSPORTE ATÉ O LOCAL DO CURSO :
Saindo do Aeroporto Santos Dumont- na cidade do Rio de Janeiro DIA 25 DE JULHO às 14:00h.O transporte de volta para o Aeroporto Santos Dumont irá sair da Regua DIA 27 DE JULHO às 13:30h. A chegada ao aeroporto está prevista para às 16:00h.
R$ 60,00 por pessoa (valor ida e volta) duas horas de viagem do Rio até a Regua (O Valor deverá ser pago no dia do Curso).

Música para estudar – Proteínas

As Proteínas BAIXAR AQUI AS PROTEÍNAS EM MP3

(Autor desconhecido)

 

Ó gente no balanço das proteínas.

Vamos cantar um pouquinho sobre esse composto que abunda demais!

Composto orgânico que é muito abundante, abunda sempre, abunda muito, abunda à toa.

Com tanto abunda a gente acaba delirando,

Acreditando a proteína é uma boa.

 

Várias funções têm esses polipeptídios de dois processos eles aparecerão no núcleo começando com a transcrição no citoplasma acontece a tradução.

Tem proteínas na formação de tecidos, nas cartilagens e também outras funções, colágeno e queratina são estruturais, como hormonal a insulina é demais.

E na defesa aparecem anticorpos, respiração envolve a hemoglobina,

Também nós vamos encontrar a proteína nas reações, catalisando como enzima.

Toda enzima será sempre proteína, nem toda proteína é sempre uma enzima. (Bis)

Aminoácido é a sua menor parte e no carbono central estarão ligados um radical que varia de 1 a 20, carboxila, hidrogênio e amina.

O aminoácido feito pelo organismo é conhecido como sendo natural, se o aminoácido tiver que ser ingerido, o aminoácido é chamado essencial.

São necessários para formar a proteína vários aminoácidos então ligados, que variando em ordem, tipo e quantidade, já vão formando a proteína de verdade.

A ligação peptídica aparece, ligando dois aminoácidos através a amina de um, carboxila do outro, na ligação perda de água acontece.

Toda enzima será sempre proteína, nem toda proteína é sempre uma enzima. (Bis)

Pra proteína a estrutura é importante e alterações podem romper as ligações e talvez ela não atue como antes, temperatura e pH desnaturantes.

Tem a primária, secundária e terciária ou linear, helicoidal e globular.

Várias cadeias numa forma agrupada de quaternária a estrutura é chamada.

E a enzima que também é proteína aumenta a velocidade das reações, seu centro ativo se ligando ao substrato, abaixa a energia de ativação.

Sistema chave-fechadura se combina e o substrato é encaixado numa enzima.

E como exemplo, degradando proteína, a protease que também é uma enzima.

Toda enzima será sempre proteína, nem toda proteína é sempre uma enzima. (Bis)

Olha aí, você viu que temos vários tipos de proteínas com várias funções.

Fique ligado!

Curso Online – Licenciamento ambiental e avaliação de impactos ambientais

O Instituto Brasileiro de Sustentabilidade abre nova turma para:
CURSO ONLINE LICENCIAMENTO AMBIENTAL E AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS

Informações e inscrições: http://bit.ly/1lVgeb1

O curso se trata de uma importante fonte de capacitação e desenvolvimento de competências estratégicas em licenciamento ambiental e avaliação de impactos ambientais, temas multidisciplinares e de ampla peculiaridade à realidade econômica e ambiental da atualidade.

O curso é veiculado em sua integridade via internet, por meio do sistema de educação a distância do INBS. Utilizamos as melhores ferramentas e métodos de ensino online, aliando tecnologia, atratividade e conteúdo de qualidade. O estudante conta com um ambiente amplo e completo para sua formação.

Informações e inscrições: http://bit.ly/1lVgeb1

10369167_1548923078668223_5555608119453446654_n

Música para estudar – Carboidratos

Os Carboidratos BAIXAR AQUI OS CARBOIDRATOS EM MP3

(Autor desconhecido)

 

[Refrão]

Carboidrato que é açúcar de energia é fonte principal.

Também aparece como reserva e uma função que é chamada estrutural.

 

Observando o carboidrato dá pra ver que ele basicamente tem na composição carbono, hidrogênio, oxigênio e pode ter enxofre, fósforo ou nitrogênio.

Hidratos de carbono, sacarídeos e glucídios são nomes que frequentemente aparecerão.

Tem mono, tem o di e tem polissacarídeos separados na classificação.

 

[Refrão]

 

Desoxirribose e ribose já serão dois monossacarídeos com função estrutural.

Glicose, frutose, galactose quem diria três monos que são fontes de energia.

Nos monossacarídeos radicais distinguirão se for cetona ele é poliidroxicetona, se for aldeído ele é poliidroxialdeído, não quero mais errar essa questão.

 

[Refrão]

 

Dissacarídeos são dois monos que já se uniram e liberaram água nessa união legal.

Quando dissacarídeo é então hidrolisado portanto são dois monos liberados.

Alguns exemplos de dissacarídeos vamos ter os mais comuns suas funções nós vamos ver: maltose, lactose, sacarose, energia; celubiose é estrutural.

 

[Refrão]

 

Pra encerrar vamos falar dos polissacarídeos, a união de vários monossacarídeos são. Presentes em reservas, em estruturas e energia, nos animais e vegetais estão.

Formando as carapaças aparece a quitina, amido é reserva presente no vegetal, o glicogênio é reserva que tá no animal, celulose na parede celular.

 

[Refrão]

 

 

Música para estudar – Lipídios

Os Lipídios

(Autor desconhecido)

Ué! Que turma é essa que tá chegando aí gente!
Ah! É a turma dos lipídios.

[Refrão]

Chegou a turma dos lipídios que são conhecidos como simples e compostos.
Também tem os esteróides e também vão surgir como carotenóides.

Orgânicos, são importantes, como isolantes, reservas ou hormonais.
Insolúveis em água, de vários tipos são, nos animais e vegetais estão.
Os simples originados entre um álcool e ácidos graxos, tem óleos e gorduras chamados glicerídeos, as ceras são chamadas de cerídeos.

[Refrão]

O álcool nos glicerídeos tem 3 carbonos é chamado glicerol.
Manteiga, ovo e banha têm gordura animal, semente que tem óleo vegetal.
O álcool já nos cerídeos cadeia longa não é mais o glicerol.
Impermeabilizante, estão nos vegetais também na proteção dos animais.

[Refrão]

Compostos ou conjugados ácido e álcool num radical vão se ligar que pode ser fosfato, como fosfolipídio, que compõe a membrana celular.
E tem outro composto esfingomielina vai se chamar com ácido fosfórico também o nitrogênio no tecido nervoso vai estar.

[Refrão]

Falando dos esteróides um importante é o tal colesterol

precursor de hormônios, presente em animais, no sangue e membrana celular.
Também um esteróide interessante é chamado ergosterol

que sob ação do sol, vou ver aparecer, a tão falada vitamina D.
E os carotenóides na fotossíntese já vão auxiliar

e olhe o caroteno que vai originar a conhecida vitamina A.

[Refrão]

Legal, né? Agora vocês já sabem como são classificados os lipídios.
Ficou fácil.
Valeu moçada!

BAIXAR AQUI OS LIPÍDIOS EM MP3

 

Landmarks in Cell Signaling – UFRJ – Maio de 2014

Programação:

 

“Protein kinase inhibitors, the major drugs of the 21st century.”

26 de maio de 2014 às 11H – auditório BLOCO N (novo prédio aulário)

 

- “Seminários em sinalização celular dos alunos e pesquisadores do CCS-UFRJ selecionados através das inscrições (veja abaixo, títulos a serem divulgados).”

26 de maio de 2014 das 14 às 16:30H – auditório BLOCO N (novo prédio aulário)

 

“The interplay between protein phosphorylation and protein ubiquitylation

in regulating the innate immune system.”

27 de maio de 2014 às 12H – auditório do BLOCO N (novo prédio aulário)

 

Sobre o evento:

Sem título

 

 

 

 

 

 

Sir Philip Cohen do Medical Research Council Protein Phosphorylation and Ubiquitylation Unit, Dundee, Escócia é um bioquímico britânico de destacada produção acadêmica. O Dr. Cohen possui mais de 500 publicações em revistas de alto impacto e uma de suas primeiras contribuições científicas foi a descoberta e a descrição da família das Proteínas Fosfatases, mediadoras centrais no metabolismo e imunidade.  De 1990 a 2012 Sir Cohen foi Diretor do MRC Protein Phosphorylation and Ubiquitylation Unit e foi também Diretor da Division of Signal Transduction Therapy (DSTT). A DSTTé a maior colaboração entre uma instituição de pesquisa básica e a indústria farmacêutica na Europa. Trata-se de uma organização gerida pela Universidade de Dundee, pelo Medical Research Council e as empresas farmacêuticas AstraZeneca, Boehringer Ingelheim, GlaxoSmithKline, Merck Serono, Janssen Pharmaceutica e Pfizer. O objetivo da colaboração é a realização de pesquisa em sinalização celular que incentive o desenvolvimento de novos tratamentos para doenças como câncer, artrite reumatóide e Parkinson.

O Dr. Cohen apresentará duas conferências, uma delas com a sua trajetória pessoal e científica, no modelo dos encontros do “Landmarks” e outra na sua atual atividade científica (mais detalhes em http://www.lifesci.dundee.ac.uk/people/philip-cohen) com destaque para sua participação inovadora nos consórcios científicos acima. Ainda nessa edição do Landmarks in Cell Signaling 2014, o Dr. Cohen reservará um espaço para ouvir os seminários de alunos de todos os níveis do CCS (IC, PG) e pesquisadores (Pós-Docs, Pesq. Visit) interessados em quaisquer aspectos de Sinalização Celular. Os interessados serão selecionados a partir de resumos do seminário enviados para a aluna Bruna Iaciura do LabSiCel no IBqM de Meis (iaciura@bioqmed.ufrj.br) .

 

Fonte: http://www.insight.mrc.ac.uk/2013/02/27/philip-cohen-driving-drug-development/